Santa Teresinha: Vítima Expiatória

Dr. Plinio fechou seus olhos para esta terra em 3 de outubro. Pelo antigo calendário litúrgico, nessa data caía também a festa de Santa Teresinha (atualmente comemorada no dia 1º do mesmo mês). Desde a sua mocidade Dr. Plinio foi grande devoto dessa insigne carmelita francesa. O presente artigo para o “Legionário”, em 1947, deu-lhe ocasião de expressar sua profunda veneração por ela.

 

Santa Teresinha do Menino Jesus é, a bem dizer,  de nossos dias: daqui a pouco celebraremos o cinquentenário de sua morte, e muitas das pessoas que ainda temos a ventura de possuir entre nós, são absolutamente contemporâneas da jovem carmelita que expirou aos 24 anos. Felizmente, a fotografia já estava inventada em dias dela, pelo que conservamos o retrato autêntico da grande Santinha: singularmente bela, de traços regulares, olhar luminoso e vasto,  porte firme, semblante resoluto, sua fisionomia deixa transparecer qualidades que parecem opostas entre si — ao menos segundo a mentalidade liberal —, como a bondade e a firmeza, a distinção e a simplicidade, o perfeito e absoluto domínio de si, e a mais atraente naturalidade.

Fisionomia e biografia deformadas

Se não possuíssemos fotografias da santa rosa do carmelo, que ideia teríamos dela? A que nos apresentam muitas de suas imagens: doce de uma doçura sentimental e quase romântica, boa de uma bondade puramente humana e sem o menor sopro de sobrenatural, enfim, uma jovem de boas inclinações, se bem que exageradamente sensível… nunca uma santa, uma autêntica e genuína santa, um luzeiro cintilante no firmamento espiritual da Igreja de Deus Verdadeiro. Se não toda a iconografia, pelo menos certa iconografia, sem alterar os traços da Santa, lhe alterou contudo a fisionomia.

O mesmo se dá com sua biografia. Certa literatura sentimental-religiosa, sem adulterar propriamente os dados biográficos de Santa Teresinha, encontrou meios de interpretar tão unilateral e superficialmente certos episódios de sua vida, que chegou a desfigurar de algum modo seu significado. As deformações iconográficas e biográficas se fizeram todas em uma mesma direção: ocultar  o sentido profundo, admirável, heroico e imortal da vida da imortal Santinha.

Os tesouros da Redenção

No 50º aniversário de sua morte, alguém que muito e muito lhe deve procura saldar com respeitoso amor esta dívida, fazendo como que um comentário doutrinário à sua vida.

O pecado original cometido por Adão, e os pecados posteriormente praticados pela humanidade, constituem ofensas a Deus. Para resgatar essas ofensas, e aplacar a ira divina, era preciso que a  humanidade expiasse.

Esta expiação era como que o pagamento que compensasse a falta cometida. Há nisto de certo modo uma restituição. Pelo pecado, o homem como que se apropriou indebitamente de prazeres,  vantagens, deleites a que não tinha direito. Para reparar a justiça, era preciso que ele abandonasse, imolasse tudo isto. O sacrifício reparador toma, assim, o aspecto de um preço de resgate pelo qual se repara a falta cometida. Para resgatar estes pecados, a Santa Igreja dispõe de um tesouro. Vejamos de que natureza ele é.

Evidentemente, não se trata de um tesouro de riquezas materiais. É um tesouro moral e espiritual, como exige a natureza moral das faltas que se trata de resgatar. Este tesouro se compõe antes de  tudo, e essencialmente, dos méritos infinitamente preciosos de Nosso Senhor Jesus Cristo, que no momento da Santa Morte do Salvador foram aceitos por Deus, e produziram a Redenção da  humanidade. Os sofrimentos, as virtudes, as expiações dos homens pecadores seriam totalmente incapazes de aplacar a cólera divina. O Santo Sacrifício do Homem-Deus bastaria plenamente para tal. Mais ainda: uma simples gota do precioso sangue bastaria para redimir a humanidade inteira. Contudo, por desígnios insondáveis da Providência Divina, de fato a Redenção não se operou no  momento em que se verteu para nós o primeiro sangue do Redentor, mas só quando Ele expirou por nós na Cruz, depois de um dilúvio de tormentos. Por uma disposição igualmente misteriosa de Deus, Ele não se contenta com o sacrifício superabundantemente suficiente do Redentor.

A humanidade está redimida, e em si mesma a obra da Redenção está concluída. Mas, para salvar os pecadores, para expiar seus pecados atuais, para que as almas transviadas aproveitem o  Sacrifício do Homem-Deus, é necessário que também nós alcancemos méritos.

O tesouro da Igreja se compõe, pois, de duas parcelas. Uma infinitamente preciosa e superabundantemente eficaz: é a dos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Outra pequeníssima, desvaliosíssima, insignificante: é a dos méritos dos homens, adquiridos ao longo da vida multissecular da Igreja. A parte pequena só vale em união com a parte infinita. Mas — mistério de Deus — em si mesma perfeitamente dispensável, esta parte é indispensável, porque Deus o quis: “Quem te criou sem ti, não te salvará sem ti”, diz Santo Agostinho. Deus nos criou sem nossa cooperação, mas, para nos salvar, Ele quer nossa cooperação. Cooperação de apostolado, sim, mas também cooperação na prece e no sacrifício.

Sem os méritos dos homens, o tesouro da Igreja não estará completo, e a humanidade não aproveitará inteiramente os frutos da salvação.

A necessidade do auxílio da graça divina Visto o assunto de outro ângulo, devemos lembrar o  papel da graça para a salvação. Nenhum homem é capaz do menor ato de virtude cristã sem que seja  chamado a isto pela graça de Deus, e pela graça de Deus ajudado.

Em outros termos, a primeira ideia, o primeiro impulso, toda a realização do ato de virtude sobrenatural se faz com o auxílio da graça. E isto de tal maneira que ninguém poderia praticar o menor  ato de virtude cristã — nem sequer pronunciar com piedade os Santíssimos Nomes de Jesus e Maria — sem o auxílio sobrenatural da graça. Tudo isto é de Fé, e quem o negasse seria herege. Nossa  vontade coopera com a graça, e sem o concurso de nossa vontade não há virtude possível. Mas por si só, sem a graça, ela é absolutamente incapaz de praticar a virtude sobrenatural.

Ora, como sem virtude ninguém agrada a Deus nem se salva, sendo a graça necessária para a virtude, é fácil perceber que ela é necessária para a salvação. Todos os homens recebem graças  suficientes para se salvar. Também isto é de Fé. Mas, de fato, pela maldade humana, que é imensa, muito poucos se salvariam só com a graça suficiente. É preciso que a graça seja abundante para vencer a maldade do livre arbítrio humano.

A abundância dessa graça, como obtê-la de Deus, justamente irado pelos pecados dos homens? Evidentemente com o tesouro da Igreja. Mas, como vimos, esse tesouro se compõe de duas parcelas, uma das quais perfeita e imutável — a de Deus — e outra mutável e imperfeita, a dos homens. Quanto mais a parte humana do tesouro da Igreja for deficiente, tanto menos abundantes serão as graças.

Quanto menos abundantes forem as graças, tanto menos numerosas serão as almas que se salvam. De onde decorre que um elemento capital para que as almas se salvem é que esteja sempre cheio, de méritos produzidos pelos homens, o tesouro da Igreja. Os grandes pecadores são os filhos doentes para cuja cura se prodigalizam os tesouros da Igreja. Os grandes Santos são os filhos sadios e operosos, que repõem a todo momento, no tesouro da Igreja, riquezas novas que substituam as que se empregam pelos pecadores.

As admiráveis vítimas expiatórias

Tudo isto nos permite estabelecer uma correlação: para grandes pecadores, grandes gastos no tesouro da Igreja. Ou estes grandes gastos são supridos por novos lances de generosidade de Deus e
das almas santas, ou as graças se vão tornando menos abundantes, e o número de pecadores aumenta.

Daí se deduz que nada mais necessário, para a dilatação da Igreja, do que enriquecer sempre e sempre seu tesouro sobrenatural com novos méritos. Evidentemente, podem-se adquirir méritos  praticando a virtude por toda parte. Mas há, no jardim da Igreja, almas que Deus destina especialmente a este fim. São as que Ele chama à vida contemplativa, em conventos reclusos, onde certas almas de escol se dedicam especialmente em amar a Deus, e a expiar pelos pecados dos homens. Estas almas corajosamente pedem a Deus que lhes mande todas as provações que quiser, desde  que com isso se salvem numerosos pecadores. Deus as flagela sem cessar, de um modo ou de outro, colhendo delas a flor da piedade e do sofrimento, para com estes méritos salvar novas almas.

Consagrar-se à vocação de vítima expiatória pelos pecadores: nada há de mais admirável. E isto tanto mais quanto muitos há que trabalham, muitos que rezam: mas quem tem a coragem de expiar?

Heroica missão de Santa Teresinha

Este é o sentido mais profundo da vocação dos Trapistas, das Franciscanas, Dominicanas e Carmelitas entre as quais floriu a suave e heroica Teresinha. Seu método foi especial. Praticando a  conformidade plena com a vontade de Deus, ela não pediu sofrimentos, nem os recusou. Deus fizesse dela o que entendesse. Jamais pediu a Deus ou a suas superioras que dela afastassem qualquer dor. Jamais pediu a Deus ou a suas superioras qualquer mortificação. Submissão plena era o seu caminho. E, em matéria de vida espiritual, plena submissão equivale a plena santificação.

Seu método se caracteriza ainda por outra nota importante. Santa Teresinha não praticou grandes mortificações físicas. Ela se limitou apenas simplesmente às prescrições de sua Regra. Mas  esmerou-se em outro tipo de mortificação: fazer a toda hora, a todo instante, mil pequenos sacrifícios. Jamais a vontade própria. Jamais o cômodo, o deleitável. Sempre o contrário do que os sentidos pediam. E cada um destes pequenos sacrifícios era uma pequena moeda no tesouro da Igreja. Moeda pequena, sim, mas de ouro de lei: cada pequeno ato consistia no amor de Deus com  que era feito.

E que amor meritoso! Santa Teresinha não tinha visões, nem mesmo os movimentos sensíveis e naturais que tornam por vezes tão amena a piedade. Aridez interior absoluta, amor árido, mas  admiravelmente ardente, da vontade dirigida pela Fé, aderindo firme e heroicamente a Deus, na atonia involuntária e irremediável da sensibilidade. Amor árido e eficaz, sinônimo, em vida de piedade, de amor perfeito…

Grande caminho, caminho simples. Não é simples fazer pequenos sacrifícios? Não é mais simples não ter visões, do que as ter? Não é mais simples aceitar os sacrifícios em lugar de os pedir? Caminho simples, caminho para todos. A missão de Santa Teresinha foi de nos mostrar uma via que pudéssemos todos trilhar. Oxalá ela nos auxilie a percorrer esta estrada real,  que levará aos altares não apenas uma ou outra alma, mas legiões inteiras.

Plinio Corrêa de Oliveira (Transcrito do“Legionário”, nº 790, de 28/9/47. Os subtítulos são nossos.)

Compartilhe