Dar muito não basta, é preciso dar tudo!

Nosso Senhor Jesus Cristo não deu muito por nós, mas deu tudo, e de um modo inimaginável!

Depois de estendido na Cruz, Ele morreu. Dir-se-ia que estava completo o sacrifício.

Não! Ele quis que um resto de água com sangue que havia no seu Corpo ainda fosse derramado por nós.

Veio, então, o soldado Longinus com a lança e transpassou o Coração d’Ele. O Redentor quis, portanto, que o seu Coração, símbolo do amor d’Ele por nós, ainda fosse transpassado por uma lança, símbolo dos pecados dos homens.

Uma oração que eu recomendo muito a vocês rezarem é “Anima Christi”. Há nessa oração uma invocação muito bonita: “Aqua lateris Christi, lava me”. Água que jorrou do lado de Cristo, lava-me. Quer dizer, todos nós temos defeitos e pecados. Essa água que jorrou do lado sacratíssimo de Jesus, água misturada com sangue, derradeiro tributo dado por Ele para a salvação dos homens, que essa água seja capaz de vencer as nossas últimas infidelidades e nos desapegar dos últimos falsos tesouros a que nosso egoísmo se agarra.

Eu gosto muito dessa invocação: “Aqua lateris Christi, lava me”. Jesus Cristo, que com tanta propriedade é chamado o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo, quando deu tudo, brotou de seu flanco sagrado uma água que limpa os homens!

Nosso Senhor Jesus Cristo deu tudo! E a Quem deu tudo por nós, ou damos tudo por Ele ou não valemos nada!

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de conferência de 1986)

Compartilhe