Aceitar com alegria os sofrimentos morais

Minha Mãe, vejo tantos e tantos homens fugirem dos sofrimentos morais, no que há uma suprema covardia. A Vós suplico esta forma de integridade: que em todos os sofrimentos morais de minha vida, eu seja inteiramente varonil, um verdadeiro católico. Que veja esses sofrimentos um por um, conte-os, pese-os e meça-os ponto por ponto. Beba cada um deles como taça amarga, até a última gota.

Que eu os sorva com serenidade, clareza, fidelidade, e caminhando resolutamente para os novos sofrimentos que vêm. Que não recuse nenhum, assuma-os todos, dando o exemplo de um homem que sofre moralmente até onde se possa sofrer. E que, nesse sofrimento, minha alma, na sua fina ponta, experimente a alegria de Vos ter dado absolutamente tudo. Vós amais, ó Senhora, quem Vos oferece com alegria este sofrimento total.

Plinio Corrêa de Oliveira (Composta em 14/11/1979)

Compartilhe