Confiança nos impossíveis

Um lema fixado por jovens revolucionários na Universidade de Sorbonne dá ocasião para Dr. Plinio tecer preciosos comentários

 

Alguém me pediu para comentar o seguinte lema afixado na Universidade de Sorbonne durante seus dias de agitação:

“Seja realista, exija o impossível.”

Mesmo defendendo a pior das causas, há nesta frase o inegável talento francês.

Em primeiro lugar, devemos nos perguntar: esse lema é correto ou não?

Em face dele, dividem-se duas famílias de almas: uma constituída pelo espírito geométrico, e outra, pelo espírito de “finesse”.

O espírito geométrico é contra uma afirmação dessas. Para ele, é próprio da utopia exigir o impossível. Logo, é um absurdo dizer: “seja realista, exija o impossível”. Pelo contrário, diria alguém desta corrente, “seja realista, exija o possível”; ou então, “seja realista, e não exija o impossível”.

Porém, as pessoas que têm o espírito de “finesse” compreendem o significado desta afirmação. Ou seja, esta espécie de contradição berrante, que é exigir o impossível, aqui quer dizer o seguinte: esse impossível vem psicologicamente entre aspas.

Impossível para o medíocre… Possível para o fogoso!

Há coisas impossíveis para os indivíduos “pocas”(1), cujos horizontes são limitados e circunscritos, e que por isso facilmente desanimam diante de lances qualificados de impraticáveis, mas que na verdade não o são.

Porém, há homens com inteira noção da realidade, os quais pensam:

“Vocês, moles, pensam ver a realidade, mas na verdade estão apenas na superfície dela. A profundidade da realidade, bem analisada, mostraria haver mil coisas aparentemente impossíveis para os espíritos sem ‘chama’; mas, para os que têm ‘chama’, são possíveis. A ‘chama’ torna possíveis coisas aparentemente impossíveis.”

A História está cheia de exemplos dessa natureza.

Quem vai a Barcelona e visita o fac-símile das naus de Cristóvão Colombo tem um exemplo disso: verdadeiras cascas de noz, com as quais se teria medo de atravessar a represa de Santo Amaro…

Entretanto, eles vieram até a América. E, exatamente no momento em que se planejava uma revolta a bordo — Cristóvão Colombo estava diante de uma revolta dos “pocas” que julgavam impossível atingir o objetivo, porque afinal de contas, nunca se chegava — alguém gritou: “Terra à vista!”

Quer dizer, estava‑se chegando precisamente no momento em que o “impossível” para os medíocres tinha se tornado possível.

Contudo, este é um fato natural.

Impossível até na ordem natural…

Do lado sobrenatural isto é muito mais bonito, muito mais rico. E a riqueza está no seguinte: quando Nossa Senhora quer algo, Ela o realiza contra todas as esperanças e aparências; mesmo o impossível para os grandes homens é possível para Nossa Senhora, porque a oração d’Ela é onipotente, Ela obtém de Deus absolutamente tudo quanto Ela quer.

De maneira que, muitas vezes, nós devemos tentar coisas não só impossíveis para os “pocas”, mas impossíveis também na ordem natural das coisas. Devemos exigir o impossível de nós mesmos, porque Nossa Senhora nos dará.

Mas, como podemos ter certeza se Nossa Senhora dará ou não?

O Livro da Confiança(2) começa com as magníficas palavras: “Voz de Cristo, voz misteriosa da graça, vós murmurais no fundo de nossas consciências palavras de doçura e de paz”.

Realmente, nós temos uma voz interior que não fala, não usa palavras, mas se comunica conosco pelo movimento dos pressentimentos, das virtudes, das consolações da alma, e nos indica o que Nossa Senhora quer de nós.

Muitas vezes esta voz quer de nós algo impossível, mas devemos crer no incrível, abordar o inabordável, meter-nos a transpor o intransponível, porque do outro lado está Nossa Senhora.

“Nunca em minha vida eu fui decepcionado nesta posição interior de alma.”

Como podemos diferenciar o sinal interior dado por Nossa Senhora de uma simples fantasia?

É muito fácil: se um determinado movimento de alma nos leva à virtude; se esse pressentimento de alma não satisfaz o nosso amor-próprio, certamente vem de Nossa Senhora.

Ele pode não se realizar como imaginamos, mas seguramente ele acaba se realizando. E é este o modo pelo qual nós podemos ouvir esta voz de Cristo, voz misteriosa da graça, dizendo a nossas almas palavras de doçura e de paz.

Poderá haver ocasiões em que sobrevenham movimentos de desânimo por estarmos numa situação sem saída. Apesar disso, teremos um pressentimento interno de que Nossa Senhora resolverá a situação.

Nunca em minha vida eu fui decepcionado nesta posição interior de alma. E eu já estou com cinquenta e nove anos e meio. Nunca eu dei crédito a esse movimento interior da alma, e depois tive uma decepção. Nunca, nunca, nunca!

Isto não quer dizer que muitas coisas não tenham demorado além do imaginado por mim; não quer dizer que as circunstâncias não tenham sido diversas das esperadas por mim, mas a substância nunca me decepcionou, e, em geral, foi além de minha expectativa.

Como filhos de Nossa Senhora, nós temos o direito de esperar o impossível, e nós temos o direito de exigir que da nossa ação brote o impossível.

Devemos agir imperativamente, sabendo que aquilo vai dar certo.

Uma provação na linha do desânimo: uma cisão na Ação Universitária Católica

Lembro-me da primeira provação séria que eu tive a esse respeito, a qual me causou uma perturbação tremenda.

Eu tinha uns vinte anos quando consegui aglutinar alguns companheiros de faculdade, para fundar o primeiro núcleo de católicos na Faculdade de Direito. Isto parecia uma coisa completamente impossível.

Eu não sabia como, no interior de minha alma, dar graças a Nossa Senhora pelo que estava acontecendo, sobretudo por prever ser este o primeiro movimento de “chama” em torno do enorme “pavio” que se acenderia.

Pois bem, pode-se imaginar o meu estado de espírito quando nesse embrião da Ação Universitária Católica, contra toda a minha expectativa, arrebentou uma cisão interna, promovida por um indivíduo que queria uma forma de apostolado completamente heresia‑branca(3).

Eu pensei: “Como? Uma cisão entre católicos? Mas que monstruosidade é esta?”

Certo dia, indo para uma reunião, onde esta cisão deveria liquidar‑se, eu estava andando de bonde no Viaduto do Chá, quase só, e ruminando aquela história, com uma pavorosa tentação de desânimo…

Mas, eu senti em mim o que Abbé Saint Laurent chama no Livro da Confiança a voz sobrenatural de Cristo, voz sobrenatural da graça, que murmurava em minha alma palavras de doçura e de paz. Eu pensei então:

“Eu não vou prestar atenção nisto e vou caminhar de olhos fechados em cima desta coisa! Aconteça o que acontecer, eu vou andar para a frente!”

Foi a primeira prova, muitas assim vieram depois.

Todos passarão por circunstâncias onde a voz da Confiança parecerá ter mentido. Não acreditemos, pois ela nunca mente, e sempre acaba realizando o que prometeu.  v

 

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de conferência de 3/8/1968)

Revista Dr Plinio 152 (Novembro de 2010)

 

1) Palavra criada por Dr. Plinio para exprimir algo medíocre, mesquinho.

2) Cfr. Dr. Plinio nº 129, p.25.

3) Expressão metafórica criada por Dr. Plinio para designar a mentalidade sentimental que se manifesta na piedade, na cultura, na arte, etc. As pessoas por ela afetadas se tornam moles, medíocres, pouco propensas à fortaleza, assim como a tudo que signifique esplendor.

Compartilhe