Artigo

A aseitas

A sociedade orgânica não deve ser vista apenas como um conjunto de relações funcionais, por onde cada grupo social haure, dentro de sua própria vida, os estímulos para resolver os seus problemas; mas também como um fenômeno de opinião pública baseado na virtude individual da aseitas1.

O que é aseitas ?

A aseitas– termo da Filosofia escolástica – provém da expressão "a se", quer dizer "existir por si".

Utilizando o termo de uma forma analógica, podemos pensar numa virtude da aseitas por onde o homem, dotado por Deus de possibilidades, de potencialidades, tanto de ordem intelectual quanto espiritual, as utiliza fazendo com que passem de potência a ato, de gérmen a algo que brota, se desenvolve, floresce e frutifica. Ou seja, é o tirar de si, para efeito de produzir e levar ao seu pleno desenvolvimento, as possibilidades que cada um tem em seu interior.

A aseitas seria, portanto, aquela virtude por onde a pessoa toma a sua originalidade no sentido bom da palavra – quer dizer, cada indivíduo é único e inconfundível na obra da Criação – e desenvolve todas as suas qualidades em torno dessa nota fundamental, que tem muito de conexo com a luz primordial2 e de oposto ao pecado capital.

Os grupos sociais podem ter aseitas?

Há aseitas do indivíduo e também dos grupos sociais, tais como uma corporação, um bairro, um feudo, uma paróquia, uma instituição, uma academia, uma família.

Todos esses grupos sociais têm, enquanto entes morais, uma aseitas própria. Quer dizer, cada um deles possui uma capacidade de produzir, de germinar, de fazer brilhar uma riqueza espiritual que lhe é peculiar, decorrente da combinação adequada e orgânica das riquezas de alma dos indivíduos que o constituem.

Esta aseitas deve formar-se sob o bafejo e à luz da Igreja Católica, com base na Fé, na razão, quer dizer, na reta Filosofia vivificada, animada, guiada, tutelada pela Doutrina Católica; portanto, com base na Moral, que é um dos elementos integrantes da Filosofia. Nesse edifício assim constituído, dentro desse quadro e desse firmamento, cada alma e depois cada grupo social, cada região, cada nação, cada ciclo de civilização e de cultura, encontram ordenadamente o trajeto de seu vôo próprio. Este é o mecanismo da aseitas.