Senhora, está patente que, sem Vós, eu nada sou e nada posso.

Vede o que eu sou!

Contudo, é também manifesto que, convosco, uma vez eu já pude, o que portanto, convosco uma vez eu já pude o que, portanto, convosco poderei de novo. Sendo assim, eu suporto a escuridão em que me encontro, na esperança de que Vós voltareis.

Vós voltareis, Senhora. Convencei-me, dai-me a segurança de que voltareis, e voltareis de qualquer jeito, a qualquer hora, daqui a um mês, um dia, um minuto, daqui a um segundo. Mas Vós voltareis! E quando voltardes, terei saído dessa escuridão mais purificado, pois tal escuridão purifica.

Na verdade, imerso nessa treva espiritual, tenha a impressão, ó minha Mãe, de ver só os meus próprios defeitos. Isto é uma provocação tremenda e um tédio tão terrível que me parece carregar esse chumbo com resignação, com confiança, quando Vós vierdes eu estarei mais limpo e, sobretudo, Senhora, Vós estareis mais brilhante, porque os meus olhos terão adquirido mais luminosidade, melhor capacidade de Vos ver.

Vós estareis mais próxima de mim! Desse modo a cada noite escura que eu aguento, corresponde uma aurora mais bonita.

E quanto mais longa e completa for a noite, mais bela e magnífica a aurora que me espera.

Eu estou como num trem que vai subindo a montanha, passando por vários túneis. Depois de cada túnel o ar está mais limpo, o panorama é mais alto, tudo é mais belo.

Esse período de prova é terrível, minha Mãe, mas é também admirável. Importa que eu espere, e compreenda que o estado no qual me encontro é apenas uma aparência do fim, e não o fim.

Eu espero, minha Mãe, contra toda esperança, porque Vós voltareis! Assim seja.

Plínio Corrêa de Oliveira

Envie-nos um comentário

You might be interested