Nossa Senhora do Bom Sucesso

Na pequenina Quito do século XVI um grande acontecimento se deu: Maria Santíssima apareceu a uma religiosa concepcionista e lhe fez revelações sobre o futuro de seu país. Embora não tendo tomado tais revelações como infalíveis, Dr. Plinio deu a elas uma atenção especial.

No dia 2 de fevereiro, a comunidade das Irmãs Concepcionistas celebra em Quito, Equador, a festa de Nossa Senhora do Bom Sucesso. Qual é a história desta devoção?

Madre Mariana de Jesus Torres e o triunfo de Maria

Madre Mariana de Jesus Torres, religiosa concepcionista, foi ao Equador em 1576, quando ainda era menina, acompanhando sua tia, Madre Mariana de Jesus Taboada, a qual partia com a intenção de lá fundar um convento.

Com elas viajaram várias outras religiosas espanholas, as quais se fixaram em Quito — cidade que naquele tempo era ponta avançada da penetração espanhola na América do Sul. Pelo que se conhece de suas vidas, essas religiosas fundadoras morreram em odor de santidade e eu tenho muita esperança de que — para a maior glória do Equador e das Américas em geral — elas sejam canonizadas.

Na pequenina Quito daqueles tempos, Madre Mariana de Jesus Torres, sendo abadessa do convento, teve extraordinárias visões e revelações privadas de Nossa Senhora.

Embora não tomemos estas revelações como dogma — a Revelação oficial está encerrada com o Novo Testamento — devemos considerá-las especialmente.

Tais revelações prenunciam um tempo onde o Equador se tornaria independente da Espanha e seria sacudido por uma grande revolução de caráter religioso-temporal; no mundo inteiro a Fé se extinguiria em muitas almas, e haveria inúmeras calamidades morais. Mas após esses acontecimentos terríveis seria instaurado um tempo de glória para a Igreja.

História da imagem

Qual é a história da imagem de Nossa Senhora que a partir de então passou a presidir o convento?

Numa das aparições(1), a Santíssima Virgem pediu a Madre Mariana que fizesse uma imagem sua, em tamanho real. Para isto, a vidente desejou medi-la a fim de que se cumprisse esse desejo.

Então, Nossa Senhora segurou uma das pontas do cordão franciscano que trazia em sua cintura, para auxiliar Madre Mariana a tomar suas medidas.

A confecção da imagem foi confiada a um escultor local(2).

Certo dia, ao subir ao coro da igreja do Convento — lugar onde esculpia a imagem — qual não foi a surpresa do escultor: encontrou a imagem pronta! Ela estava magnífica!

Nenhuma mão humana havia terminado a imagem; durante toda a noite a igreja havia permanecido fechada. É uma imagem feita por mão de anjo(3).

O que a imagem nos comunica

O que essa imagem nos inspira no fundo da alma?

A mensagem que ela contém: uma grande promessa, um grande triunfo. Algo posto pela graça se acrescenta aos recursos da escultura e anuncia, no fundo de nossas almas, as alegrias e as certezas da promessa.

O báculo e as chaves, que Nossa Senhora traz consigo, dão a entender que é Ela quem abre e fecha os acontecimentos grandiosos; mas também as misérias e catástrofes dos homens; enfim, as vitórias de Deus dentro da História.

Mais do que as jóias, quem A adorna realmente é seu Divino Filho! Ela O traz triunfalmente, como quem diz: “Estou vencendo, mas venço para que Ele vença. Eu sou Rainha, sim, porém o sou porque Ele é o Rei!”

Nela há também um aspecto sobre o qual chamo a atenção: Ela comunica sua virginalidade extraordinariamente. É impossível olhar para esta imagem sem ter a impressão de que, em torno dela, a pureza se irradia.

Ela está inundada por uma felicidade de alma que é prêmio pela virtude da pureza. A pureza concede isto à alma que a pratica: segurança, discernimento, dignidade, compostura por onde se calca aos pés os infortúnios. Daí provem a louçania da vitória e do triunfo transmitida por essa imagem.

A luta ainda vai ser maior

Deste modo Ela nos prepara para as agruras da luta, falando-nos da alegria e da glória que virão.

Antigamente, até meados do século passado, talvez, não se conheciam os anestésicos, e as operações se faziam a frio. O paciente — muitas vezes acordado — de vez em quando, perguntava ao médico como ia o andamento da cirurgia.

Era compreensível que o cirurgião, amigo do paciente — ou simplesmente movido por sentimentos de compaixão que aquelas dores não podiam deixar de causar —, durante a primeira fase da operação lhe dissesse: “Vai indo bem, eu estou conseguindo abrir tal zona, já estou em tal outra, etc.; daqui a pouco vem a extração”. Este “daqui a pouco vem a extração” animava o paciente! Ou seja, as fases mais delicadas do perigo estão se aproximando e vão terminar.

Depois que a amputação foi realizada, se a dores persistem ou aumentam, o que faz o médico? Ele diz: “Olhe, o pior já foi, daqui por diante as dores vão declinar, nós já estamos chegando ao fim”. Ele começa a apontar para aquilo que é o ideal do doente: o fim da operação.

É o caminho da normalidade: na fase ascendente fala-se que tudo vai bem e incita-se a ter coragem; quando ela atinge um ponto no qual é preciso toda a resistência, compreende-se que se diga “agora vai melhorar”.

Nossa Senhora do Bom Sucesso dá-nos a impressão de que está dizendo no fundo de nossas almas: “Meus filhos, a luta ainda vai ser maior, mas o meu Reino já vai começar a luzir no horizonte!” É a alegre e vitoriosa proclamação do Reino de Maria!

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de conferências de 14/8/1982 e 2/2/1983)

1) No ano de 1610.
2) A própria Virgem Maria escolheu o escultor, dizendo: “Para esta tarefa, deves chamar Francisco del Castillo, o qual é um hábil escultor, e dar-lhe as descrições de minhas medidas”.
3) De fato, Madre Mariana teve uma visão dos anjos concluindo a imagem enquanto o escultor se ausentava para buscar vernizes e tintas para o acabamento.

Envie-nos um comentário

You might be interested