Nós também

Em nosso último artigo, mostramos que as meditações que tão freqüentemente se fazem a respeito da ingratidão, da covardia e da cegueira dos Apóstolos, durante a Paixão, não devem ter, para  nós, interesse meramente especulativo. Também nós temos, para com Nosso Senhor, ingratidões, covardias e cegueiras muito parecidas com as dos Apóstolos, e seria ridículo pensar apenas nos  defeitos deles, sem tomarmos também em consideração a “trave que está em nosso próprio olho”. Ninguém se santifica pela meditação sobre as virtudes ou defeitos alheios, se não o fizer de modo   a acrescer suas próprias virtudes, ou combater seus próprios defeitos.

Assim, pois, olhos postos na Paixão de Nosso Senhor, não devemos por isto nos esquecer de nós mesmos, pois que Nosso Senhor nos pede, não tanto que choremos com Nossa Senhora os  padecimentos do Cordeiro de Deus, mas que cuidemos de não transformar nossa própria alma em uma segunda edição dos que O imolaram. Essa reflexão, absolutamente verdadeira no que diz respeito às suaves tristezas da Semana Santa, também se aplica, ponto por ponto, às austeras alegrias da Ressurreição.

Tanta gente se admira e se indigna com a perturbação cheia de abatimento, e a vacilação de espírito manifestada depois da morte de Nosso Senhor, pelos Apóstolos, a propósito da Ressurreição. O  Redentor tinha predito de modo positivo que ressurgiria dos mortos.

Entretanto, tendo Ele expirado na cruz, os Apóstolos se deixaram dominar por um abatimento que fazia transparecer claramente toda a vacilação que lhes ia na alma. E São Tomé quis tocar com os dedos o Salvador, para crer na objetividade da Ressurreição.

Ora, a realidade é que também nós estamos sujeitos à mesma fraqueza e não raramente ela vence em nós, contando com nosso próprio consentimento. Certamente, todos nós cremos, graças a  Deus, com toda a firmeza e sem a menor vacilação, na objetividade da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas há uma outra verdade, que sem dúvida admitimos, mas que admitimos às  vezes com tanto temor, que lhe damos um  sentido quase puramente especulativo e tão restrito, que nos tornamos perfeitamente merecedores da censura do Espírito Santo: “Estão diminuídas as  verdades entre os filhos dos homens”. Não se trata de uma verdade posta em dúvida, mas sobre a qual temos, em nosso espírito, uma noção diminuída. Entretanto, quantos e quantos erros daí  decorrem!

Essa verdade que Nosso Senhor afirmou de modo insofismável, e a respeito da qual sua palavra não é menos infalível do que quando predisse sua ressurreição, é a fecundidade sobrenatural da  Santa Igreja Católica Apostólica Romana, que permanecerá de pé, sobranceira em relação às investidas de todos os seus inimigos, até a consumação dos séculos, sempre capaz de atrair pela graça   os homens de boa vontade.

Todos os católicos, evidentemente, estão obrigados a crer nessa verdade. A Igreja jamais perderá esse dom de atrair as almas. Negá-lo implica em negar que Jesus Cristo é Deus, ou que os  Evangelhos são livros inspirados. Negá-lo é, pois, negar a própria Religião. Mas essa verdade, que todos aceitam, todos a possuem em igual extensão? Todos vêem com igual clareza? Todos tiram dela as mesmas conclusões?

Nos dias torvos que atravessamos, quando vemos a heresia se dilatar por toda a Europa, e ameaçar o mundo inteiro, quanta gente há que julga a Igreja tão ameaçada, que se sente inclinada a  concessões doutrinárias perante os atuais dominadores do mundo? Hoje em dia, a paganização geral dos costumes penetrou em todas as esferas da sociedade, e cavou um abismo que se vai tornando cada vez mais profundo, entre o espírito da Igreja e o espírito da época. À vista disto, quanta gente aconselha concessões morais capazes de a reconciliar com esta sociedade sem cujo  apoio se receia, no mundo, que ela venha a sofrer um colapso que, se não fosse a morte, seria ao menos um prolongado desmaio? À vista da formação de correntes pseudo-científicas cada vez mais  contrárias aos ensinamentos infalíveis da Igreja, quanta gente desejaria que a Igreja, se não alterasse as verdades já definidas, ao menos não explicitasse sua doutrina em pontos ainda controversíveis, em que qualquer definição por parte do Catolicismo poderia tornar as divergências com a nossa época ainda maiores?

Evidentemente, todos estes erros procedem de um temor mais ou menos inconsciente quanto à fecundidade da Igreja.

De fato, o que é a doutrina católica? É um conjunto de verdades. Desde que, nesse conjunto, uma só verdade fosse adulterada, a doutrina católica já não seria ela mesma. Assim, tentar acomodá-la, adaptá-la, ajeitá-la, é trabalhar para que ela perca sua identidade consigo mesma: em outros termos, é tentar matá-la. E achar que o apostolado não é possível sem essa adaptação é achar que a  Igreja só pode vencer morrendo!

Evidentemente, essa vacilação, em um verdadeiro católico, não se pode referir a certas verdades já irretorquivelmente definidas pela Igreja. Mas há um sem número de aplicações práticas de  princípios, ou de deduções doutrinárias a respeito de princípios já definidos, em que essa fraqueza se manifesta. Em lugar de se procurar, na utilização doutrinária ou prática dos princípios, a  verdade, toda a verdade, e só a verdade, as reflexões feitas a este respeito se deixam imbuir mais ou menos pela preocupação de condescender com os erros do século. E, assim, em vez de procurar  tirar do tesouro das verdades católicas todos os frutos de ordem intelectual e moral que contêm, procura-se saber mais o que pode ser rotulado como discutível, e portanto como matéria livre, do  que o que pode ser rotulado como verdadeiro, e portanto como matéria certa.

Em outros termos, a mania invariável de condescender leva muita gente a procurar dilatar os espaços intelectuais reservados à dúvida. Em presença de uma afirmação deduzida da doutrina  católica, a pergunta deveria ser esta: posso incorporar mais esta riqueza ao patrimônio de minhas convicções? Mas, em geral é esta outra: que razões posso descobrir, para duvidar também disto?

Pio XI, recebendo em audiência o Exmo. Revmo. Sr. Arcebispo de Cuiabá, lhe deu como palavra de ordem para os jornalistas católicos do Brasil: “Dilatate spatia veritatis”. [Dilatai os espaços da  verdade.] Muita gente gosta de fazer o contrário: em lugar de se esforçar por descobrir novas verdades doutrinárias deduzidas das já conhecidas, ou de estender o mais possível a aplicação dessas  verdades na prática, todo seu esforço vai em negar o mais possível qualquer coisa de positivo que se faça neste caminho. Em suma, isto é exatamente o oposto do verdadeiro espírito construtivo, é  dilatar espaços, não da verdade, mas da dúvida.

Se a Revelação é um tesouro, e a difusão do Evangelho um bem, quanto mais esse tesouro se espalha e esse bem se distribui, tanto mais contentes devemos ficar. Muita gente, entretanto, acha que  é o contrário.

Quanto mais se ocultam os desdobramentos lógicos da Revelação e se encurtam as conseqüências do que está no Evangelho, tanto mais caridoso se é! Como Deus teria sido caridoso, se tivesse   imposto uma moral menos severa! Por que não previu Ele que no século XX, essa moral seria um trambolho indifusível? Corrijamos a obra de Deus: encurtemos o que na sua obra está por demais  longo, empanemos a luz do que brilha demais, e assim teremos beneficiado largamente a humanidade. Quanta gente, na prática, raciocina assim!

Ora, proceder assim não reflete o receio de que a Igreja já não conte com o apoio de Deus, e, se não se baratear, já não possa arrastar as turbas? E essa dúvida  sobre o auxílio sobrenatural que  Deus dá à Igreja, não se parece muito com a dúvida que, antes da Ressurreição, se sentiu a respeito deste fato? Reflitamos nisto. E peçamos a Nosso Senhor que, fazendo ressuscitar em nós os  tesouros das graças que rejeitamos, voltemos novamente àquela ortodoxia virginal da Fé, e àquela perfeição de vida, que talvez o pecado, por nossa máxima culpa, nos tenha roubado.

Plinio Corrêa de Oliveira (Publicado no “Legionário”, nº 448, 13/4/1941)

Envie-nos um comentário

You might be interested