Espírito Santo, alma da Igreja

“Convém a vós que Eu vá; porque se Eu não for, o Consolador não virá a vós, mas se Eu for, enviá-lo-ei” (Jo 16, 7) — prometeu Jesus a seus discípulos, na véspera de sua Paixão e Morte. Essas divinas palavras se cumpririam cinqüenta dias depois da gloriosa Ressurreição do Salvador, durante as festividades de Pentecostes. No Antigo Testamento, essa comemoração judaica recordava a entrega das tábuas da Lei a Moisés, no Monte Sinai. Na era cristã, a Igreja lembra nessa data a descida do Espírito Santo sobre Nossa Senhora e os Apóstolos, reunidos no Cenáculo.

Ao comentar os ricos aspectos dessa festa católica — celebrada este ano no dia 30 de maio —, Dr. Plinio costumava salientar a união perseverante dos discípulos em torno da Santíssima Virgem, como sendo razão preponderante para que sobre eles viessem os dons do Espírito Paráclito e os frutos extraordinários daí decorrentes: “Em Pentecostes se verifica, por assim dizer, a constituição definitiva da Igreja. Antes desse acontecimento, os Apóstolos eram incapazes de conhecer e compreender de maneira cabal a grandiosa obra que lhes foi confiada. Essa incapacidade se dissipou com a vinda do Espírito Santo, passando a Igreja a viver neles de outro modo.

Poder-se-ia pensar que, antes de Pentecostes, a Igreja era como um boneco de barro, que recebeu então o sopro de vida, como o primeiro homem no Gênesis. Tudo se transformou, tudo começou a existir e a pegar fogo no mundo, e a contagiá-lo, até o apogeu dos dias de hoje em que o Evangelho é pregado a todos os povos. Quer dizer, no pior    momento da Paixão e Morte do Mestre, eles, porque se congregaram junto de Nossa Senhora, receberam toda espécie de graças, culminando na maravilha do dia de Pentecostes.”

Ainda sobre esse fundamental papel do Espírito Santo como vivificador da Esposa Mística de Cristo, deixou-nos Dr. Plinio estas outras belas e tocantes palavras: Ao ver as coisas da Igreja, sentia eu uma impressão curiosa. Mais do que uma instituição, Ela me parecia uma alma imensa que se expressa através de mil aspectos, que possui movimentos, grandezas, santidades e perfeições, como se fosse uma só grande alma que se exprimiu através de todas os templos católicos do mundo, todas as liturgias, todas as imagens, todos os sons de órgão e de todos os dobrares de sinos.

Essa “alma” chorou com os Réquiens , se alegrou com os bimbalhares da Páscoa e das noites de Natal; ela chora e se alegra comigo. Pensava eu: “Como eu gosto dessa ‘alma’! Tenho a impressão de que minha própria alma é uma pequena ressonância dela. Trata-se de algo no qual minha alma vive inteira, como dentro de um templo material. Tudo de que eu gosto é como ela é, e ela é como tudo de que eu gosto. À maneira de alma, isto é o ideal de minha vida, para isto quero viver, assim eu quero ser. Eu me sinto com relação a essa alma um pouco como um sol se espelhando numa gota de água. Eu sou a gota de água, essa ‘alma’ é o sol”.

Depois vim a saber que “aquilo” que eu percebera era o Espírito Santo, a alma da Igreja. É Ele quem atua na minha própria alma, templo d’Ele em razão do batismo, para se tornar receptiva à influência da Igreja.

Assim, o Espírito Santo é um cantor magnífico, que me concede o senso artístico necessário para apreciar o seu canto. E quando eu O louvo ou admiro suas obras, O louvo ou admiro pela luz que Ele mesmo fez incidir em mim…”

Envie-nos um comentário

You might be interested