Confiança: flexibilidade nas mãos da Providência

A confiança vem da certeza interior de que a Providência irá conceder aquilo que Ela promete e que não conseguimos por nossas próprias forças. Os momentos em que é preciso confiar são os mais belos da vida de um homem.

 

Confiança em Nossa Senhora! Que magnífico! Que extenso tema cheio de aspectos, de profundidade, de luzes, cheio também de santas exigências!

Necessidade do auxílio da Providência

Como deve ser a confiança em Nossa Senhora?

A palavra “confiança” é cheia de doçura. Não há homem que não tenha necessidade de uma ajuda da Providência a todo momento de sua vida. Se ele é muito orgulhoso e não quer reconhecer a necessidade desse auxílio, o fardo que ele leva é pior, porque não há coisa mais terrível do que levar a vida no isolamento, sentindo a própria insuficiência. E não há homem que não seja insuficiente para a grande tarefa de viver.

Há uma expressão francesa que diz: “Entra-se e grita-se; é a vida! Grita-se e sai-se; é a morte!” Entre dois gritos está a vida de um homem. E quanto é isto verdade! Quanto a vida é cheia de sofrimentos! O homem nasce, e à medida que ele vai adquirindo o uso da razão, de um modo mais ou menos confuso, se estabelece no espírito dele a ideia de que a vida deve ser de um determinado modo.

Essa ideia é muitas vezes influenciada por desejos, por sonhos irrealizáveis, mas pode também ser algo nascido da reta ordenação das coisas, de uma ponderação exata das circunstâncias, que leva o homem a desejar aquilo cuja realização seria razoável. Em busca disto começa a história da vida de um homem.

Homens com e sem história

O que é a história de um homem? Conhecemos, por exemplo, a história deste, daquele; depois tal outro que não tem história. O que é a vida dos homens sem história?

Por mais modesta e apagada, ou por mais magnífica que seja a vida, ela tem história quando possui uma meta e há dificuldades para se alcançá-la. Mesmo quando a pessoa não consegue atingir a meta que traçou para si, ela tem uma história. Pode ser a história de um êxito ou de um fracasso. Por quê? Porque foi a trajetória de um esforço.

Quais são os homens que não têm história? São os que não deixam sulco na História. São os que não tiveram meta. Toda vida humana é interessante desde que ali tenha havido uma meta e um método para alcançar esse objetivo.

Um homem que, por exemplo, jornaleiro — hoje essa profissão não existe mais, era um ofício muitíssimo modesto —, que vende jornais andando pela rua, e gritando de um lado para outro, musicalizando: “O Estado, a Folha…” Às vezes víamos um homem maduro, que passara a vida inteira como jornaleiro, mas percebia-se nele a intenção de ter sido um determinado tipo de jornaleiro, e tinha ou não conseguido aquele intuito.

É uma história anônima. Mas se uma pessoa se debruçasse sobre ela, conhecesse os pormenores, soubesse quais foram as metas, as tentativas, o fracasso e o êxito, se fosse um bom escritor, faria daquela vida um grande livro. Porque onde houve uma meta e um método, esta história mereceria ser escrita.

Não merece ser escrita a história daqueles que não tiveram meta nem método, que passaram a vida vagueando de um lado para outro, sem querer e sem desejar nada, sem ter método para alcançar alguma coisa, ao sabor das circunstâncias, como uma cortiça jogada ao mar. Jogada no Atlântico, tanto pode ir parar no Mar Amarelo, como em Istambul, como pode passar cem anos flutuando nos espaços internos da baía de Guanabara e, depois, desintegrar-se. Não tem interesse, não houve meta, não houve método, houve apenas o jogo fortuito das circunstâncias… São os homens sem história.

Necessidade da confiança para cumprir os desígnios de Deus

Para os homens que possuem história, muitas vezes esta meta é verdadeira. Mas muitas vezes também a pessoa se engana. E chegar a conhecer a verdadeira meta da vida é uma graça. Alguns a têm nos primeiros albores da vida, outros quando a vida já vai madura, a mar alto! A Providência não quis lhes fazer conhecer antes a meta designada para eles. E eles foram vivendo na incerteza, à procura de uma meta, até o momento em que ela floresce dentro do mar onde eles estavam vagando sem sentido.

Às vezes a Providência tem metas desencontradas para uma mesma pessoa, para prová-la. Então, chama um homem, primeiro para guerreiro. Ele luta e, de repente, a Providência dá um jeito, o homem descobre em si mesmo um talento diplomático enorme. Ele deixa de lado a espada e começa a usar a lábia, a gentileza; entra pela diplomacia.

Em determinado momento, lhe vem a ideia, e é a vocação: “Eu devo ser padre, devo ser religioso… Vou — como São Pedro Armengol — ser um homem para resgatar os cativos… eu não quero outra coisa…”

São vidas que parecem quebradas, mas se somam formando um todo, uma bonita unidade, que se percebe melhor depois, quando a pessoa morreu e vemos o caminho seguido por ela.

Outro exemplo: Santo Inácio. Há uma beleza especial no fato de ele ter sido guerreiro antes de ser padre. E como embeleza ainda mais a vida deste Santo o fato de, entre o tempo de guerreiro e o de Fundador, ter passado um período de convalescença, com uma perna quebrada, lendo livro de cavalaria, depois livro de Santos, da biblioteca do velho castelo, e mandando quebrar três vezes a perna para consertar…

Como é bonito que depois esse fidalgo deixasse a corte e se vestisse como um mendigo, e fosse para um grupo escolar onde os meninos davam risada dele. Aquele homem já feito quase não tinha cultura. Ele tinha passado a vida guerreando e não tinha tido tempo de estudar. Ele recebe com humildade os apodos, até que sua alma começa a luzir como uma tocha! É a Contrarreforma que brilha nele, talvez como em nenhum outro Santo.

Como tudo isto é magnífico! Como estas coisas são feitas de tal maneira que o homem, para conhecer as vias de Deus, deve medir e pesar com sabedoria as circunstâncias.

De outro lado, deve ouvir a voz de Cristo — “voz misteriosa da graça que fala às almas palavras de doçura e de paz” — e dar mais um passo, fazendo um ato de confiança:

“Um impulso interno do lado bom de minha alma floresce quando eu formo a ideia de seguir tal rumo. Tudo quanto há de bom em mim fenece, quando penso no rumo oposto. Para lá eu devo andar! Há alguma coisa de Deus que me diz isso no interior da alma!”

Quantas e quantas vezes o homem se confunde a respeito da voz de Deus! É preciso medir pela razão, pela sabedoria, se esse impulso interno está direito. “Medi, rezei para conseguir fazer bem. Medi e dei o passo! Está lançada a história, eu comecei!”

Aqui aparece mais especialmente a necessidade da confiança. A pessoa formou aquela certeza e deve andar em determinada direção.

Rezar, rezar muito e não duvidar

Qual é o papel da confiança dentro disso?

“Nossa Senhora me chamou para isto, e Ela não chama em vão. Se a Santíssima Virgem me chamou, eu obterei. Ela muitas vezes me fará passar pelas avenidas dos becos sem saída, muitas vezes me fará conhecer o tormento das situações que não têm solução. Mas eu devo resistir a esses tormentos com muita calma, devo estar sereno… Porque, em determinado momento, as mãos d’Ela abrem as muralhas do beco como se fossem cortinas, e eu passarei com facilidade”.

É a confiança vinda daquela certeza interior, uma certeza meio do raciocínio e meio da graça, na qual nada é contra a razão, mas às vezes é mais do que a simples razão vê. Assim forma-se a resolução de fazer e seguir naquele rumo, sabendo que a Providência Divina acabará dando aquilo que a pessoa julga jamais conseguir. Esses são os mais belos momentos da vida do homem, em que ele diz: “Não consigo, não vou avante! ‘Salve Regina, Mater misericordiæ, vita, dulcedo et spes nostra, salve!'(1) Não tem saída, mas Vós, ó Mãe, sois a saída!”

Quantos e quantos fatos — e não só na vida dos Santos — provam como a alma verdadeiramente confiante, que soube continuar a esperar, mesmo quando tudo parecia perdido, obtém a graça almejada. O que é preciso é, em primeiro lugar, rezar; em segundo lugar, rezar muito; em terceiro lugar, não duvidar que será atendida.

Diante de obstáculos insuperáveis, a certeza do auxílio de Nossa Senhora

Como se define a virtude da confiança?

É a virtude pela qual o homem, levado pela luz da razão e pela luz da Fé, se convence de que um determinado caminho é o dele, e convencendo-se disso, diante dos obstáculos mais impossíveis, das dores mais terríveis, tem certeza de que Nossa Senhora o ajudará. Então, ele não se perturba, não duvida, e nas circunstâncias mais terríveis ele se mantém calmo e em ordem, porque sabe que Nossa Senhora virá em seu socorro. Esta é a virtude da confiança.

A condição da virtude da confiança é não duvidar. Se o homem não duvida, a sua confiança será atendida e premiada. Pelo contrário, se duvida, ele pode não obter. E é por causa disso que a confiança é uma das condições fundamentais da oração. Uma oração confiante move as montanhas.

Desse modo compreende-se como nós devemos nos preparar para a confiança. Custe o que custar e seja de que maneira for, confiar, confiar, confiar! Esperar contra toda esperança! Quando tudo parecer sem solução, confiança, confiança, confiança! A solução vem!

Alguém dirá: “Mas, Dr. Plinio, confiar é tão doce, é um Céu na Terra! Nós não compreendemos onde está a virtude, por que pode haver sacrifício em professar uma confiança tão doce?!”

O homem tem um desejo do Céu, no seu lado bom; mas, no seu lado ruim, ele tem uma misteriosa tendência para os abismos. E um homem que está confiando, e deve a paz e a alegria de sua alma à confiança, tem uma inclinação esquisita a duvidar. Ele fica desconfiado e lhe agrada perguntar-se a sim mesmo: “Será?!…” Agrada-lhe afligir-se, desesperar-se. Este se afunda…

Isso se deu no episódio de São Pedro andando sobre as ondas.

Nosso Senhor mandou-o ir até Ele, São Pedro começou a andar; mas, em certo momento, em vez de olhar para Nosso Senhor, olhou para as ondas. E, coisa terrível, veio a pergunta: “Será?”

Nós não temos o direito de atirar a primeira pedra, mas São Pedro, numa hora destas, deve ter duvidado. Em vez de olhar para a face de Nosso Senhor, que lhe daria toda a certeza, olhou para as águas. Nem era preciso que houvesse água, podia haver vácuo, se ele confiasse caminharia em cima! Podemos imaginar que, para prová-lo, a onda tenha sido tão grande que o tenha feito perder a visão direta da face de Nosso Senhor, e por isso tenha começado a afundar.

Até o momento em que pede ajuda a Nosso Senhor, que o salva. Mas ainda aí há a tentação da desconfiança: “Desta eu escapei, em outra não me meto — a alma humana é assim — chegando à terra firme, nunca mais navego!” Um homem que agisse assim pecaria contra a confiança!

Transponho isso para a nossa vida de apostolado. A três por dois estamos numa situação que não tem saída, num embrulho sem arranjo. Às vezes pensamos que temos a solução na mão. Não temos! Em certo momento, se soubermos confiar, vemos aquilo sendo resolvido. Quando menos esperamos, num canto do horizonte a tempestade começa a passar. Daqui a pouco passa completamente. A primavera chega, vem o verão da confiança. Mas, depois, mais adiante as coisas vão se fazendo novamente esquisitas. “Ih, desta vez não sei se dará certo… Das outras deu, mas desta dará? Que complicação!” São os outonos da confiança. E depois vêm também os terríveis invernos da confiança, em que tudo parece ir contra e dar resultado desfavorável. É preciso confiar, rezar; rezar, confiar, porque Nossa Senhora acabará arranjando.

Há um ponto delicado dentro disso. Tão delicado que, tanto quanto eu me lembro, o próprio Abbé Saint-Laurent, no Livro da Confiança, não trata. É o seguinte.

Nossa Senhora quer que alguns façam uma obra na Terra, e deseja conservá-los para realizar esta obra. Mas de outros Ela dispõe que sejam vítimas expiatórias. E a vítima expiatória deve aguentar nas costas toda espécie de sofrimentos para obter o resgate dos outros. Uma espécie de mercedário, mas com vistas à outra vida. Sofre nesta vida para evitar que outros vão para o Inferno.

E às vezes a Providência dá a entender: “Meu filho, resolvi abreviar a sua vida. E quero o holocausto completo. Você vai morrer!” A ideia da morte causa espavento! Causa dor e tormento! O homem chora diante da ideia da morte! Ele pede para ser daqui a pouco, para terminar tal negócio, acabar tal relação, para fazer tal outra coisa… “Não! Chegou a sua vez de morrer!” É preciso morrer com confiança.

O que significa aí morrer com confiança?

“Eu pensei que a Providência fosse me dar uma longa vida, e confiava que assim seria. Mas, de repente, por um pecado meu, ou porque Deus quis de mim o sacrifício por alguém que eu não conheço, mas que Ele quer salvar, a Providência me pede: ‘Meu filho, queres morrer por mim? É novo, é uma sugestão nova… Tu não sabias, tu não conhecias. Queres morrer por mim?’”

E é preciso ter a confiança de dizer:
— Senhor — ou Senhora —, se Vós o quereis, eu quero também!

É o curso terrível e natural das coisas. É, por exemplo, Santa Joana d’Arc, a heroína da confiança. Confiou, venceu, mas em certo momento foi presa, vendida pelos borguinhões aos ingleses, submetida ao injustíssimo e infamíssimo processo da Inquisição contra ela e, depois, queimada viva.

No último momento, o grande ato de confiança: “As vozes não mentiram! Realmente aquilo que foi prometido, acontecerá!” Ela deve ter tido alguma revelação.

Os paradoxos da confiança

A confiança é bifásica. Ela pede que confiemos de que as coisas vão correr de um determinado jeito, e normalmente correm. Mas, por uma razão excepcional, elas podem não correr. Então se deve começar a confiar num plano mais alto da Providência que não sabemos qual é.

A confiança é para todos os momentos, para todas as formas. Ela exige, portanto, que tenhamos a certeza de que seremos socorridos, mas, paradoxalmente, ao mesmo tempo experimentemos a impressão de que o auxílio não virá. E fiquemos resignados caso a Providência queira qualquer outra coisa. A confiança comporta esta flexibilidade: quando confiamos numa coisa, se acontecer algo contrário, não nos revoltamos, e nos entregamos. É a confiança em Nosso Senhor Jesus Cristo.

Aí se compreende também toda a doçura e bondade que há no título de Mãe de Misericórdia, e como Nossa Senhora da Divina Providência é a Mãe de Misericórdia num sentido muito especial da palavra, uma espécie de requinte da invocação de Nossa Senhora Auxiliadora. Para Ela, devemos nos voltar em dias como estes.

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de Conferência de 17/11/1984)

 

1) Do latim: Salve Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve!

Envie-nos um comentário

You might be interested